Não confunda, de Eva Furnari – resenha

Não confunda, de Eva Furnari – resenha

3 de fevereiro de 2020 Sem categoria 1

Aqui em casa, alguns de nós sofrem de “confundite aguda”. O caso mais grave é o de Vanessa, que precisa sempre de três palavras até que a desejada seja proferida adequadamente. “Amor, tá calor! Liga o helicóptero? Liquidificador? VENTILADOR?”. E isso tudo fazendo o sinal de giro com um dos dedos em riste. O diagnóstico é mesmo “confundite aguda”, e acho que é contagioso. Gabriel, nosso filho mais velho, de vez em quando diz que quer comer um “Bate de Chocololo”. Sintomas deliciosos que nos fazem rir um bocado.

Por isso mesmo a leitura de Não Confunda, escrito e ilustrado por Eva Furnari e publicado pela editora Moderna, foi o maior sucesso! A autora brinca com construções triviais com suas rimas meio maluquinhas, típicas de quem vive se confundindo. “Não confunda mochila chocante com gorila mutante”, sugere o primeiro par de páginas. E essas casadinhas seguem até o fim, inesperadas, leves e… inconfundíveis!

Além da própria diversão de ver imagens non-sense, como uma gaivota bigoduda – que você não deve confundir com velhota nariguda, naturalmente – o livro nos abre uma porta para criar nossas próprias confusões! E para os que sofrem de “confundite aguda” por aqui, isso foi um pato feio… digo… um prato cheio!

O traço das ilustrações é mais caricatural do que realista e tudo é muito leve, ajudando a manter o clima mais fantasioso. Gosto muito dos detalhes sutis da moldura de cada imagem e muitas vezes me vi viajando somente nesse ponto.

Um comentário

  1. Lucilene de Lucca Marini disse:

    Começo dizendo da minha grande admiração por Eva Furnari e suas obras, mas confesso que fui surpreendida com a imagem de um gorila travestido de homem, no livro Não confunda, que numa leitura feita há muito tempo atrás, não chamou a minha atenção para a mensagem racista que ela traz. Mas hoje, com ajuda de pessoas que vem estudando a questão do racismo estrutural, estou tentando estar mais atenta a essa questão. Penso que este gorila esteriotipada não cabe mais nas obras de Eva Furnari, autora renomada, que traz enorme contribuição a literatura infantil e que tem suas obras em larga escala nas escolas. Acredito firmemente que hoje, todos nós temos que ser antirracistas. Aqui, quem fala é uma avó, que ama ler para seus netos, e que está buscando ficar mais atenta as questões raciais que os livros infantis trazem, porque não basta não ser racista, precisamos ser antirracista. Obrigada pelo espaço de fala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *