Adivinha Quanto Eu Te Amo – Resenha

Adivinha Quanto Eu Te Amo – Resenha

– Papai, posso te dizer uma coisa?
– Claro, filho. O que foi?
– Eu te amo!

Quase todos os meus dias começam assim. E na minha família há muitas versões desta mesma história. Como: “Te amo, te amado, te aminho, te amento”, ou “Eu te amo, te adoro, você é meu amor, meu penico de cocô”, e até mesmo o “Te amo até o infinito e além… e mais do que além”.

É justamente neste ponto em que minha história se conecta com o belo livro de Sam McBratney. A edição que li, publicada pela Martins Fontes, é ilustrada pela Anita Jeram e é uma graça.

Temos aqui a relação cheia de ternura entre Coelhinho e Coelho Pai na hora de ir para a cama. Impossível não me projetar, pois tenho um coelhinho saltitante grudado em minhas orelhas, dizendo que me ama e que ainda se impressiona com as bobagens que falo.

O enredo parece simples, mas revela uma conexão entre pai e filho de cumplicidade, com pitadas de desafio e sabedoria, e um final que, embora não seja um plot twist, é o melhor de todo o livro. Toda a narrativa vai nos conduzindo e gerando expectativa. Onde isso vai acabar? Quais são as medidas do amor? O Coelho Pai, com toda a sua ternura, sabe bem qual é.

Sempre que lemos aqui em casa dá-se início a uma disputa e vamos inventando medidas e distâncias. É uma farra.

As ilustrações de Anita Jeram são as mesmas desde a primeira edição, em 1994. Pelo menos foi o que pude perceber numa breve pesquisa na internet. Também não haveria muito o que mudar, uma vez que as imagens tornam ainda mais doce a leitura desse jovem clássico. Não sei se foram os coelhos somente, mas fiquei com um sentimento da artista ter uma influência de sua compatriota Beatrix Potter. Será que estou viajando?

Se há um ponto que me incomoda em toda a edição (pelo menos esta que tenho, que é de 2015) é o spoiler descarado na contra-capa do livro. Não estraga a leitura, é claro, mas nos priva de saborear o clímax da história da mesma maneira.

 Toda segunda-feira vou publicar uma resenha de um livro infantil, ou de livros que marcaram minha infância de alguma forma. Quer sugerir algum livro para aparecer aqui? Mande um comentário ou responda às enquetes lá no Instagram @livrotecastorytime 

2 comentários

  1. Lorrana disse:

    É legal de mais mano do ceu

  2. Rafaela G. Sanches disse:

    Oi amei muito essa Resenha do tipo que gosto. Por isso queria saber se você pode fazer resenha do antigo livro “diario de uma garota nada popular como escrever um diario nada popular”pois não sabia que existia e acabei indo para o proximo e quero saber do que se trata,Muito obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *